terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Pátio de Viracopos já limita operações

   Um relátório do DECEA (Departamento de Controle do Espaço Aéreo) apontou que Viracopos já apresenta uma importante limitação em suas operações. Apesar da capacidade de atender 31 operações por hora, o aeroporto está limitado a 26 pousos/decolagens devido à insuficiência de pátio para o estacionamento das aeronaves.
   Viracopos conta com 11 posições para aviões de grande porte no pátio de cargas e nove no pátio de passageiros. Essas nove, no entanto, comportam apenas aviões com tamanho máximo de um Embraer 195, fazendo com que haja menos vagas em momentos nos quais modelos maiores estão em solo. O pátio de cargas costuma ser usado pelos aviões de passageiro nos horários mais críticos, porém o aumento da movimentação de cargueiros devido à recuperação pós-crise vem limitando essa opção.
   O cenário torna-se ainda mais crítico se pensarmos nos próximos anos, já que Congonhas e Guarulhos devem passar por reformas para a Copa do Mundo de 2014. Viracopos é a principal alternativa para a limitação dos aeroportos paulistas nesse período, mas a previsão é de que o novo pátio, juntamente com a primeira etapa do novo terminal de passageiros, fique pronto apenas no final de 2013.
   Para agravar ainda mais a situação, o movimento de passageiros de Viracopos deve superar os 5 milhões até o final desse ano, sendo que a capacidade do terminal é de menos de 4 milhões. A instalação do MOP (Módulo Operacional Provisório) deve estar concluída aproximadamente na metade de 2011. Porém, aumentará a capacidade para apenas 6 milhões de passageiros, número que certamente será atingido muito antes do final de 2013, tanto pelo crescimento natural das operações quanto pela possível transferência dos voos da capital.



Errata (08/12/2010): as informações sobre as nove posições do pátio de passageiros estão incorretas, pois referem-se a alguns meses atrás. Atualmente a disposição do pátio está reformulada, totalizando 19 posições, sendo 5 para aeronaves de porte máximo de um Embraer 195 e o restante para modelos maiores.