sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Leilão de aeroportos desperta grande interesse

   Segundo notícias divulgadas pela mídia nacional desde a tarde da última quinta feira, ao menos onze consórcios teriam entregado propostas para participar do leilão de privatização dos aeroportos de Guarulhos, Viracopos e Brasília.
   Como exigido nas regras do leilão, os consórcios deveriam contar com empresas de administração aeroportuária com experiência de no mínimo 5 milhões de passageiros transportados. Dessa forma, todos os consórcios buscaram por parceiros estrangeiros, já que no Brasil apenas a Infraero atende a esse requisito.
   Grandes construtoras brasileiras se interessaram pela chance de assumir um dos três aeroportos, que figuram entre os mais lucrativos nas previsões de crescimento das próximas décadas. Mas o que realmente mostra a importância desses aeroportos são as empresas estrangeiras que se associaram aos consórcios, como a Fraport, do aeroporto de Frankfurt, a Flughafen Zürich, de aeroporto de Zurich, a Changi, do aeroporto de Singapura, entre outras também de grandes aeroportos.
   O leilão viva-voz, que decide definitivamente quem leva cada um dos aeroportos, acontece na próxima segunda feira, dia 06 de fevereiro. Porém nem todos os consórcios podem conseguir sua vaga. Para cada aeroporto, as três maiores ofertas entre as entregues na quinta feira garantem sua vaga. Os demais consórcios só entram na disputa se tiverem oferecido mais de 90% do valor do primeiro colocado.
   Já no leilão de segunda feira, um consórcio só poderá arrematar um único aeroporto, mesmo que esteja participando dos três, que ocorrem simultaneamente. Caso um mesmo grupo esteja liderando em dois aeroportos, apenas uma das ofertas será válida, sendo escolhida de acordo com normas do leilão, possibilitando que o segundo colocado assuma a liderança no outro aeroporto.
   Parece que finalmente a tão arrastada e necessária privatização dos aeroportos acontecerá, desde que não seja feito e aprovado algum pedido de cancelamento do leilão até a segunda feira. Ainda é cedo para dizer se haverá tempo suficiente para ampliar os aeroportos até os grandes eventos esportivos. Entretanto não há dúvidas de que haverá um ganho considerável na aplicação de recursos nesses terminais privatizados, permitindo que eles passem ao menos a atender à demanda de passageiros prevista para o futuro do país, com o conforto e segurança necessários em qualquer aeroporto.